domingo, 29 de dezembro de 2013

Feliz Ano Novo!


Deixo-me levar pelo otimismo reinante que paira na alma esperançosa de todos que apostam no recomeço.

É o sentimento balsâmico que deslumbra, alivia a alma, empurra as tristezas, amarra e alimenta os sonhos.

É como se a marca indelével do 1º dia do ano viesse carregada de magia e com a certeza envolvente que, inesperadamente, no espaço de um instante, tudo se transformasse.

É  a contingência que nos faz pegar carona neste tempo que vem até nós generosamente, com a promessa de novas oportunidades, um novo ano, novos dias, novas auroras, e a sensação maravilhosa do reinicio da caminhada.

É como se fosse uma nova luz, um movimento desdobrado, tal qual o sopro da brisa nos dias quentes, o borrifo das marés que aportam nas praias gorjeadas pela canção dos pássaros e o gosto de sereno nas noites calmas.

É como se viajássemos com os pés no chão, o coração nas estrelas e, de luz tecida, a alma entusiasmada reflorescesse outra vez.
É neste renovar constante que se embala e se afaga nossos sonhos e  a vida se firma e dá brilho à nossa, sempre e nova caminhada.

Feliz Ano Novo a todos, e que esta viagem que se reinicia venha revestida de momentos
inesquecíveis e muitas felicidades.


Boa Sorte!

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Natal


Natal é  brilho no olhar, momento de gala e de festa que  traz para o presente
 lembranças do passado,  gestos de fé e de carinho a  respingar ternura, iluminar cantos obscuros e depositar no futuro a soma efetiva da esperança.

É o pleno desabrochar a apontar no horizonte novos territórios inexplorados
 para que floresçam poesia e encanto nas palavras.

É tempo de busca, de harmonia, de abraços, sorrisos, música, partilha e sonhos desfolhados
 como se a data  banhada de lua e estrelas abrigasse miragens e Fizesse do coração luz divina e cativa,
  prece de paz em perfeita comunhão com o universo.

Natal é comemoração, é rodear-se de amigos e família, para deixar gestar as promessas, os eternos sonhos  e acalentar  novos recomeços.


É tempo de amor, de oração, de paz e de felicidade fluente e benfazeja.

Feliz Natal !

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Minha Poesia


Seja de qual lado for
Junto às janelas, nas varandas,
Mesclada ao vento, ou  em sintonia com a maresia,
Hei de plantar minha poesia.

A luz da lua, fascinada,
A alma agasalhada,
Render-se-á a vida, inflamada,
Rompendo as densas, madrugadas.

A mercê do tempo
  Acordados  os sentimentos
Revoluteando sobre os amores do mundo,
  Bem no fundo, há de brotar  poesia

Mesmo, que por um segundo.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Alma Misteriosa


 Alma misteriosa
Depuras viva, viçosa,
Recantos sonhadores e
Serenos sentimentos.
Sem mácula és
Delicada flor exótica –
Límpida, quase divina.

Trazes na sombria fé fecunda
O misticismo, a emoção e a alquimia.
Irrequieta liberdade
Canto e prosa
Vivendo e sangrando
Eloquente e sempre bela.

Alma misteriosa
Tens a face do amor
Que queima e abrasa
Mas tens olhos de dor
Dragões adormecidos
Rastilhos de mágoas e
Profunda solidão

Sem queixumes
Diluis de leve
Dolentes mistérios e
Embalas em suave soturno
Coisas que o coração derrama
no peito...e enternece.


sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Esperança


Esperança que povoa o caminho,
Que de belezas inspira loucas e eternas fantasias
Que faz do amor insensato e eterno sentimento
E, do tempo, infinita as horas.

Esta esperança que no peito passeia e vaga
Suspende a alma cheia de ufana glória,
Sopra a vida que o vento volteio leva,
 E do prazer, embreado, sentimento, faz.

Esta esperança, companheira cega e constante,
Que enche de risos, as voltas e reviravoltas que a vida dá,
  Fluída dança ao som de melodias
 Tal qual céu de boemia, desnudando a luz do amanhecer.

Esta esperança que meu coração abriga
Que tece, se veste, se enfeita com retalhadas cores  

 Doce aconchego - arrebatado festim
Sem medo, sem ruído - quase em segredo...

  

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Para uma Mulher Singular

Professora, escritora poetisa, Sueli Bittencourt, sábia mulher, de boa cepa, construiu sua caminhada na vida  buscando na realidade, nas emoções, no sumo da delicadeza e na essência da alma a veia poética que jorra e frutifica, em abundância.


Olhos de luz, sorriso de gala, coração puro de menina, firme guerreira da vida, mãos tremulas pela idade, mas não menos ágil a depositar sonhos de paz nas teclas do seu computador.

Palavras que fluem e flutuam, arqueiam como sons de claros clarins, latente dom no sobre tom da vida.
Sumo copioso, airoso que fecunda lentamente, no suave feitiço das primaveras eternas.

Nas descobertas adquiridas, no aprendizado dos 93 anos de caminhada, se inventa, se reinventa generosamente e persistente, e num gesto de desafio e rebeldia continua espalhando seu sonho interminável nos Blogs que alimenta e no trânsito diário pelo facebook, mostrando que a tecnologia nunca será barreira para quem acredita no prazer de sonhar e poder através dos traços da linguagem, eternizar sua mensagem.

Rendo aqui, minha homenagem de admiração a essa linda mulher - de fibra, sensata, feita de música, luar e sentimentos, cujo título de Poetisa da Paz a envaidece e alicerça sua responsabilidade de transmitir o ideal de um mundo melhor.

Sueli se sobressai, porque representa para nós a esperança cultivada e plasmada ao longo da vida merecendo nosso aplauso e servindo de exemplo e testemunho de uma vida solidária.

Venha conhecer os Blogs da Sueli:

tudoporummundobemmelhor.blogspot.com

projetopazepoesia.blogspot.com

proamesueli.blogspot.com

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Ilusão Perdida


Forjei visões e um futuro que não existe
Sopro ou lampejo de um sonho
Não sei
Roubaram-me a cena
Calou-se a esperança
Das palavras nada há o que não foi dito
Da brisa que se atrevia e entrevia-se o puro sentimento, pouco restou.
Do viço antigo, consumido e fragmentado levo sombras solitárias.
Na luta doída e sentida, na aridez da alma sofrida, um espaço vazio ficou.
Cansei desta busca
Dobro meus sonhos
Engaveto meu coração
Cerro as cortinas
Abandono o palco
O Ser que aflora
Buscará mais além
O fio de esperança
Que persiste e insiste, acima de qualquer verdade,
Em dar sentido a ilusão perdida.

  

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Devaneio



Não quero o céu em outro lugar,
 quero-o aqui, de luz iluminado, na morna placidez de teu aconchego.

Quero o tempo eterno, o jorro 
sonolento do orvalho e muitas flores  para colorir minha alma e  fazer dela novas auroras.

Quero fazer deste tempo, delírio, 
loucura, repouso, ternura e ante o amor
 que se extasia terei os pés no chão e o coração nas estrelas.

De suave graça, vestida de lua, na claridade das madrugadas 
 caminharei pelo infinito.
(in Dança da Vida)


                                                                      

Eu, com minha amiga poeta do Blog Meu Céu de Felicidade, Vera Portela, no Café Tortoni,  em Buenos Aires

Aproveitamos o passeio para um encontro com os poetas Argentinos  dia 18 no mesmo café.
Representamos na ocasião o Grupo dos Poetas Livres de Florianópolis/SC

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

De Malas Prontas


Nada como a expectativa de uma viagem!
Por menor que seja sempre nos faz acreditar que será um momento único e especial.
Os quilômetros não fazem parte da distância dos sonhos imaginados.
Na preparação vem a insegurança do que vestir, do que levar, do que deixar e do que não esquecer.
Ah! Aquela nécessaire recheada com batom, blush, lápis de sobrancelhas, boca, rímel, perfumes, cremes para o rosto, para o corpo etc.. 
Claro que não podem faltar! Isto sem falar na escova de dentes, cabelo, roupa,  creme dental e tudo que for para o conforto e higiene.
A sapatilha dourada, nem pensar em esquecê-la, pois combina com quase tudo, menos com uma noite de gala. Para esta, aquele sapato alto de tiras e pedrarias, estiloso, tão na moda e que combina com o pretinho básico insubstituível e de lugar cativo na mala.
Sem falar em deixar a casa em ordem, plantas regadas, janelas fechadas, portas trancadas e eu, como tenho uma cachorrinha, contrato uma babá para cuidar da bichinha.
Maquina fotográfica enfeitando o pescoço, tal qual uma turista em primeira viagem, tablet em baixo do braço, bolsa a tiracolo, um livro inútil para ler nas horas vagas que penso existirá, balas para chupar e distrair o estômago na viagem e mais, muito mais.
Ufa! Estou pronta... Sei que algo faltará, mas a beleza da viagem está na sua preparação.

Amigos amanhã, dia 12 estarei na cidade de Blumenau para o Lançamento da Antologia “A Palavra Convida” da Editora Bárbara , da qual faço parte com alguns dos meus poemas.

Terça feira, 17 de setembro, vou a Buenos Aires com três escritores  amigos e membros ,como eu, do Grupo de Poetas Livres para dois eventos, sendo um encontro de escritores, no Café Tortone - Buenos Aires, onde participarei de uma rodada de poesia, assim como a um evento Internacional de Premiação de Poetas participantes de um Concurso.
Volto dia 22 e prometo postar as novidades.

Bjs
                                                                

terça-feira, 3 de setembro de 2013

VOOS


Vastos voos do espírito
Generosos e lúcidos sopros de esperança
Capturando sonhos invisíveis
E todo o amor
Que a beleza emana.
Voa o pensamento
Curva-se intenso e irrequieto,
Mas não menos belo.
A cor que o domina
Doura a fantasia
Rebenta e explode
Transpõe a surda voz do vento
Solta – se veemente forte
Enrola - se, se arrepia,
Endeusa - se e em imensa calma se entrega à
Brandura dos laços desejados.


                                                                  

sábado, 17 de agosto de 2013

Entrego a Você


Entrego a você, vencida pelas saudades,
a beleza do efêmero, o fluxo doce do ar noturno,
o alívio da brisa e do sereno, um luar solitário e na embriaguez da sedução, sob a luz das estrelas, sem alardes presentear-te-ei  com doces confidências.

Entrego a você novas manhãs, auroras com salpicos de sol, a música das cores permeando um festival de margaridas sempre em viço, e o feitiço da dança do ar enovelada.

Entrego a você, o assombro, a surpresa, a audácia de reinventar-se, o dom da espera, o doce entendimento e a coerência lúcida e generosa com todos os seus encantos.

Entrego a você, promessas eternas, o ninho, o calor, a ternura  e  a doçura da minha poesia para proteger a tua alma , ardores cheios de mistérios e a ampla essência da  soberana felicidade.

Enfim, entrego a você, o amparo e o sustento do amor.

sábado, 3 de agosto de 2013

Grito



Não bagunce a minha vida
Não  exponha minhas feridas
Não elimine o que restou da minha dignidade
Quero me redimir das dores, das recaídas e dos soluços dispersos
Rastear e apagar esta triste canção

 que amargura e cala minha alma
Quero atravessar este túnel
recuperar minha serenidade e meus sonhos perdidos.

Da dorida verdade
Só sobraram meus braços recolhidos.





terça-feira, 23 de julho de 2013

Poesia sem Palavras


Florianópolis - Santa Catarina, em dia de inverno e de gala.
Mar límpido e morros nevados.

Morro do Cambirela, em Palhoça - Grande Florianópolis depois de uma nevasca.

23 de julho de 2013

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Abandono




Abandono à energia que me sufoca.
Em meio à deliciosa letargia
Despojada
Espero.

Sem tempo
Sem memória
Suspensa
 Flutuo.


Em delírio febril
Imersa
Neste torpor
Ouço o silencio que rola
E o universo que dorme e acolhe.

Há infinitas formas de viver.

Dos resíduos enraizados
Dispo-me
Busco a serenidade
Pura
Fluente
Benfazeja

Enfim...


terça-feira, 25 de junho de 2013

Paradoxo



Razão inexplicável ou controverso sentimento.
Um dia sabemos quem somos, no outro nem tanto.
Somos ambíguos - caminhamos entre certezas e a cômoda ausência de memória.
Somos começo, recomeço e fim.
Neste caminhar, ora na luz, ora nas sombras movemo-nos oscilantes sob a solidão de nós mesmos.
Cada detalhe nos intriga e transfigura-se para buscar no tempo o que em vão procuramos.
Somos encurralados, empurrados, puxados, separados, fragmentados e isolados.
Nesta dança feroz, imersos no mundo existem os que caminham,
 os que seguem e os que se desviam da rota e se perdem.

O que fizemos, ou o que deixamos 
de fazer juntam-se nas camadas dos mistérios que nos envolvem
 e independente do que foi seguimos em frente à procura 
da nossa almejada e desejada chave da felicidade.




quarta-feira, 5 de junho de 2013

Procuro


Procuro o sol, a brisa fresca e  sombras de vez enquanto, para dar alívio a inquietude que passa breve, deixa marcas e fere fundo.

Procuro a passagem do tempo e nas páginas avulsas da alma os retratos desbotados e as saudades arquivadas que a espera, permanecem.

Procuro na solidão que carrego no olhar uma avalanche de cores, de flores e o doce gosto de sereno para que foragida das tristezas, tocada de beleza veja a vida num sorriso.

Procuro folhas viajantes , rosas em brotos e  borrões silhuetados  a brincar nas vidraças das varandas arejadas,  para que possa aflorar o mel e o céu dentro dos sonhos resgatados.

Procuro o futuro róseo, os rituais, a trilha sonora e o sopro do vento esperançoso mudando o curso dos rios e os bons presságios para  reunir  e atar   fios soltos , tecer e ousar  incursões novas , dar passagem e tempero a vida.

De tudo que procuro, o que mais quero é este intocado sentimento, atrevido forasteiro, aventureiro, eternamente apaixonado, sopro e  fonte de inspiração que faz crer que a magia do amor e os meus versos estrelados possam ser a realidade que tanto almejo.
  


sexta-feira, 17 de maio de 2013

Mistura



Trago na bagagem o sol do teu sorriso vestido de gala e minha determinação e bravura.
A sós, armada do meu entusiasmo preencho meu espaço de ternura absoluta, escuto o riso e para viver a vida ouço o meu silêncio.
Guardo essa paixão estranha, imensa, que se renova neste sorriso, descerra suas asas e ensaia novos vôos.
Junto este tempero para alargar meu coração de esperanças, desgrenhar minha alma e deixar vazar minhas emoções.
A ternura se funde na esperança e faz o tempo obreiro e cúmplice deste excesso de felicidade desejada.
Nesta mistura tudo se faz doçura, até a vida se desalinha se movimenta se amacia e volta por inteira.
É como se tivesse crenças que voam e nas mãos um mundo inteiro de ilusão.


sexta-feira, 10 de maio de 2013

Sei




Minha Homenagem às Mães


Sei de mulheres tristes, submissas, violentadas,
 mutiladas,perseguidas e queimadas 
- sem espaço e sem vida.
Sei de mulheres sedentas, esfomeadas,
 desgastadas do tempo, da dor, 
do medo, das amargas mágoas e das cicatrizes 
incuráveis.

Sei de mulheres que, como tantas, carregam
 nos ombros a herança  sombria de Ser - 
alimentando-se de inquietudes, desesperanças
 e lágrimas que calam fundo na alma e 
deixam rastros na história.
Mas sei também, que estas mulheres no tempo
 e no espaço da vida,
 escondem as dores, descoram as tristezas
 para que no aconchego de seus braços possam
 transformar o silêncio 
da alma em ternura, abrigo e acalanto para
 seus filhos.

Sei da sua acordada fé, sua tenacidade,
 resistência, sua doação, 
sacrifício e a magia da doçura 
que se faz 
leveza intensa e sempre maior.
Sei de suas mãos que 
perpassam, confortam, 
agasalham e transmitem no afago o
 afeto 
 absoluto e pleno do amor ,
 que resiste e persiste  no seu
 coração de Mãe.

Sei  desta transcendência, dádiva generosa e
 catarse purificadora, 
que faz da mulher e do seu amor, 
o amparo único e insubstituível 

no coração do (s) filho(s) amado(s).

Feliz Dia das Mães!