quinta-feira, 30 de julho de 2015

SERENIDADE



Desembrulho meus versos,
sou serenidade.
Abraço o mundo com as mãos
recheadas de flores e
entoo uma nova elegia.
Busco uma nova chance.


terça-feira, 28 de julho de 2015

INSÔNIA


Na batida das horas
O  sono se gasta
Consome o tempo
Devora a imaginação
Nas idas e vindas...voa
Nem mesmo as sombras
Nem o apagar das luzes
São capazes de deter
A dança dos pensamentos
Que germinam no inconsciente
E se vestem de cálidas esperanças.
Abrem-se frestas no silêncio das profundezas da alma.
No peito vagam searas e doces remansos,
Como beijos de auroras
No sono perdido, sem máscaras, nem pecados
Caminham os sonhos
No corpo em desalinho vestígios de dor,
Desejo, amor e saudade.
No olhar preso no nada o
cansaço empalidecido ,violado, purificado.

No pensamento ficam queixumes, crenças, segredos, solidão, afeição e ... a lentidão compassada do tempo.