sábado, 30 de julho de 2011

Sonho Meu

                                 Mesmo que eu me engane

Mesmo que eu me dane
Aonde minha alma conduz
Vou escutar e arrancar essa centelha de luz.

De todas as maneiras
Quero entender esse teu jeito
De todo diferente
Um pouco indiferente
Um tanto, doce paixão.

Mesmo que eu me dane
Quero nesse escrutínio
Garantir que tu, sonho, existas.
Criar um sentido, assegurar meu caminho,
E de todo, ao teu lado, amada eu seja.



quinta-feira, 28 de julho de 2011

Imperfeita.Por que não?

Perfeição  é caminhar pelos mesmos caminhos, sempre em frente, sem desvios, rota planejada, os mesmos tons e a mesma paisagem. Tudo organizado, modelado, lapidado - fazendo de nós sempre as mesmas. 

Emoções à parte - nem encanto imprevisível, nem surpresas de repente, nem esquinas a dobrar, nem semitons, nem voltas e nem reviravoltas - fazendo de nós sempre as mesmas.

Bendito caminho que nas nossas idas e vindas nos faz imperfeitas - nada mais do que humanas, e que faz do nosso tempo à essência da renovação e do aperfeiçoamento.

 Poder, purificadas, sair ao léu, construir e reconstruir, criar e recriar, desdobrar, abandonar, recomeçar, rir, gargalhar, chorar, enxugar as lágrimas tantas quantas forem e fantasiar sempre muito. Dar as mãos, beijar, acalentar, seduzir e fascinar. Sem modismo, vestidas de todas as cores , pés no chão, correr contra o vento segurando e agasalhando esperanças mil e, emocionadas amar, além dos nossos sonhos. Sofrer pelas perdas, sorrir pelos ganhos e com o coração nas mãos, brilho nos olhos, alçar outros vôos. Poder viver como se quer, como se é, livre e feliz. E, no fim, fazendo de nós - nem sempre as mesmas.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Alma


Ah! Alma intocada,

Intangível essência imaterial
Que dentro do meu peito te turvas,
De ansiedades, inquisições e rebeliões.

Ah! recanto de encanto
Solitário solário
Que forjas no silêncio
Pungentes sonhos
E nas reentrâncias
Vais abrigando o meu coração.

Ah! Alada graça, etérea onda,
Que te escondes no meu lado outro,
E no ardor, com labor,
Vais fazendo de mim
Uma eterna e descuidada sonhadora.




segunda-feira, 25 de julho de 2011

Quimera


Quimera, quem sabe, és tu sonho meu,

Que de espera se esvai na vida.
Um dia agasalha, cria asas, se abrasa,
No outro se encolhe de saudades.

Oásis, fuga teimosa,
Que da vida faz um vir a ser
E do desejo eterno
O glorioso, perene sentimento.


quinta-feira, 21 de julho de 2011

Fragmentos

É noite, bem noite
Há quietude na escuridão.
Indestrutível o tempo parece descansar.

Tudo existe nesta
Fração escura do tempo
Nada se perde ou deixa de existir.
É a pálida certeza do amor
Da entrega total
Indiscritível e nostálgica
De um próprio eu.

É noite, bem noite
Nossos olhos sorriem na penumbra
Tal qual a rosa flori junto ao sonho.
As mãos se unem
Num espaço de saudades
Como se a ânsia fosse feita só para nós dois.

Deleite, perfeita compreensão
O amor contido flui como a areia
Que corre do vento que a arrebata.

Fragmentos da vida
Doce reencontro
Infinita paz.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

sexta-feira, 15 de julho de 2011

FELICIDADE

Bendita és tu felicidade!
Sonho real que conduz a essa mundana
Infinita boemia.
Sopras como chama as ânsias e
Como o sol boreal, tinges de luz o céu,
Além do infinito.
Depositas, luxuriosa, tua beleza,
Engrinaldando o mundo
Tal qual a noiva
A espera do seu amado, e juntos,
O nascer da lua que prateia a imensidão.
Não sei se és quimera ou se és divina,
Mas, sei que seara ousada és,
Emoção perfeita, alquimia radiante,
Eloquente vibração
Que faz da alma
Cadência eterna e poética, gloria.

domingo, 10 de julho de 2011

Neste Dia

Só hoje, se for o caso

Deixe correr ao acaso e
Comece, outra vez.
Como brisa que desliza de mansinho
Com requinte,
Meticulosa, que és,
Revive, os prazeres da descoberta,
Desperte, os teus sonhos,
Que de tanto armazenados,
Esquecidos, adormeceram.
Com tantos outros, generosa que és,
Coloca-te no mundo outra vez.
Retire da gaveta o teu vestido mais lindo,
Calce os teus sapatos de festa
 E te enfeite de doce magia.
Adorne o teu corpo
Extravagante, serás, com certeza,
Só hoje, se for o caso.
Abuse da maquiagem
Lembre-te que as cores harmonizam e dá viço a vida.
Ao olhar no espelho se as rugas ou as gorduras incomodarem,
Deixa pra lá
Nem sempre de perfeição se veste a alma
E nem por isso deixa de encantar.
Não se espante com olhares de espanto. Deixa pra lá.
Segue em frente
Com um sorriso no rosto
Sem tristeza, nem males,
Esquece o tempo que se foi
Prove este novo momento
Ocupe teu pedaço novamente no espaço
Desembrulhe teus sóis
Acolhe teus sentimentos
Desabroche
Cresce e resplandece
Despojada e irreverente,
Só hoje se for o caso.
Com graça, renasce, esvoace e alce teus vôos,
Prepare uma festa
Contrate uma orquestra
E na rua vestida de lua
Ungida de sonhos
A revelia
Arrebatada, mudada,
Feito criança
Na vida pregue uma peça.
E nada menos do que isto
Festeje este dia.
No limite que te permites
Visionária, do infinito serás.
E de presente,
Só hoje, se for o caso,
Este dia - te darás.

sábado, 2 de julho de 2011

Segredos Íntimos - Mágoa

Não quero mais sentir essa mágoa.

Quero afastar bem longe esse fantasma que me assombra e se alastra afundando e enterrando os males – cúmplice e obreiro das dores.
Quero sair dessa escuridão. Quero transformar em luz o desgosto envolto em sombras e cheia de indignação, da situação, deixar essa mistura de espectros num canto, prostrados, enfermos e à própria sorte.
Colocar a tristeza de lado e de risos maquiar a vida. Ir à luta, viandante atrás do meu destino. Separar sem medo as camufladas e disfarçadas tiranias e de otimismo, eivada de magia, cabeça ao vento, olhar à frente, divisar o sol, e a luz roubar como um astro no céu infinito.
Abandonar ao léu esse sonho triste. Sem preocupação, deixar de ser o que nunca fui e enxugando as lágrimas lançar-me forte, novamente, á vida.
Prematuramente vitoriosa vou desfraldar minha nova bandeira estimulada pelo que há de vir, porque lá fora está a espera o universo – interminável, impassível, misterioso, maleável e, onde, os pássaros sempre voam sob o horizonte em festa.