domingo, 30 de setembro de 2012

Hora da Magia


Sonhos desfolhados, pátios encantados e enfeitiçados a infiltrar - se, intocados, como um carinho cálido que o tempo assenta, alicerça e abraça.


Descanso o espírito e me aninho nas batidas do coração e na mistura dos sentimentos, esperanças perdidas e todo o mistério que areja os doces momentos.


Paixão, destemida, no rumor das horas vou prendendo os fantasmas obscuros que ladeiam e sabotam os pensamentos escondidos na alma conspirando com o silêncio.


Nesta controvertida loucura invisível, lírica, tocante e fascinante entre certezas, incertezas, verãos doces, invernos penosos, a força do amor e o afetuoso clamor ardem e com descuido criam espaços estrelados.


Pronta para o inesperado,  perco-me nas horas gastas, entrelaço os laços, embalo a doçura preciosa, sopro as ausências e no sótão da alma, fecundada de amor, estreito as saudades e deslizo para um mundo encantado a espera do meu cavalheiro andante.


sábado, 22 de setembro de 2012

Dia Perfeito

Foto de Sônia Schmorantz do Blog " Um Vento na Ilha"
 mostra  as pedras e o mar azul que ladeiam a paisagem do meu Bairro



Acordo a luz da manhã e ao canto dos pássaros migratórios frente a minha janela. Cada modulação e sutileza do seu canto é como se colocassem sonhos em sons suavizados em pálida harmonia.

A madrugada na distância frágil e preguiçosa se esvai, deixando as difusas horas esquecidas.

A névoa borra o fundo do firmamento  e se perde nas nuvens.
Lufadas de ar frio carregadas de ruídos, como asas soltas, fazem redemoinhos no chão e a folhagem  balançar como dançarina numa dança sedutora.

Na beleza e na serenidade da natureza o sol inicia seu reinado, triunfante.
A grama verdejante adornando a Avenida lá fora, faz do orvalho salpicados pontos de luz, emprestando-lhes uma aura de magia.

Não tão longe as águas ondulantes do mar arremetem nas pedras trazendo no ar o cheiro da maresia.  Gaivotas passeiam  a preamar soltando seus gritos no embalo do balanço das águas.

O retângulo do sol que desenha e ilumina o chão cria uma bela composição, tal qual colcha de retalhos adornando o ambiente.

O dia presente perfeito, engastado como uma safira no meio de uma joia especial traz para o meu tempo, perfume, deleite e para minha alma o canto perene do universo.

É o retorno da primavera criadora fecunda que prepara a terra para deixá-la  vestida de festa e de cores,

Encantada, coloco meus sonhos em música  e esta luz romântica interior ,tão minha, a sotavento  deixando-me levar pelo excesso de felicidade  que se agarra  no meu coração e em alvoroço, ouço a voz de um poeta sonhador.

Absorvo a leveza das palavras e
como um carinho cálido,
 afago o sonho.



domingo, 16 de setembro de 2012

Sim é possível




Sim é possível.
Tudo é  paixão e sentimento.
Cada tempo tem um espaço a ser explorado, reconhecido, embalado e lembrado.

Na memória as histórias se fundem e como aquarelas em águas, redesenham cenários enfeitiçados de silêncio.

O vento corre, revoa, renova, se molda para eclipsar as ilusões audazes  que existiram e subsistiram na imaginação, escondidas nas curvas dos sonhos.

Alma em flor, em luz e cor, lânguida acaricia as palavras e deixa-se levar despojada de qualquer promessa.

Sim é possível, aninhar-se aos céus onde desmaiam as estrelas para nos  jorros das canções criar este halo de energia que arrebata, seduz, eleva, embriaga e consolida a graça dos encantos e dos afagos.

Miragem embrionária faz deslizar as linhas do tempo para apontar no horizonte novas veredas para que aflore e floresçam frescas primaveras
Sim é possível!



domingo, 9 de setembro de 2012

Ausência



Farei da ausência um refúgio e da dor da espera a promessa de uma beleza silenciosa.

Terei o tempo no abismo que margeia, sem movimento, sem pressa e um amor tão grande como o universo.

Ouvirei teu riso e verei o afeto escondido, esmagado e doído a transbordar desejos e inundar-se de sentimentos e sensações.

 Solitária, segurarei o grito da angustia, o clamor das saudades, a poesia no coração e os sombrios pensamentos a escorrer e agigantar-se na escuridão da alma.

Aprenderei que o que quer que aconteça as estações mudam,   vida se organiza, as lágrimas não são perdidas e a festa ainda está para acontecer.