domingo, 8 de maio de 2011

NADA É TÃO SIMPLES


Tela de Pino Daeni
Nada é tão simples. Certezas? Não são muitas.

Sonhos estes sim são infindáveis. Afinal a vida é construída pelo sol das manhãs e pelas noites que iluminam e abrigam os sonhos.
O cotidiano na sua complexidade, em algum momento se fecha para o mundo e nos carrega para uma orgia de decepções e inquietações empurrando-nos para lugares frios e desconhecidos.
Vulnerabilidade é o nosso ponto mais fraco. Em cada esquina nos deparamos com verdades cujos sentidos, por mais incoerentes, nos carregam num processo misterioso de vibração interior que vai-nos fortalecendo e modulando a alma.
São momentos de preces solitárias que nos permitem aplainar, a colorir, a acariciar, vasculhar e apalpar todos os mais íntimos e ínfimos detalhes, até que esgotados os pensamentos - exauridos, machucados muitas vezes,vamos a procura do nosso equilíbrio.
Neste processo, obstinados,caminhamos em busca de um lugar ao sol e, jogando com o tempo, contra a dureza da existência, cautelosamente, em sobreaviso, delineamos nossas fronteiras.
Nada é tão simples. Mas é na complexidade que reside à fluidez da percepção e o encanto do aprendizado da vida.

Um comentário:

  1. Perfeito! Concordo, e que lindo e bem escrito texto, Eloah. É a complexidade do ser humano. Somos muito difíceis de entender, amiga, uma hora somos uns anjos, divinos e coerentes; noutra... nossa! Somos a própria confusão, um ser em busca de si.

    Com o tempo melhoramos em algumas coisas, mas em nem tudo. Não acredito muito em mudanças quando nosso caráter tem tempo limitado para sua formação.

    grande beijo.

    ResponderExcluir

De fragmento em fragmento vou compondo a minha história.Obrigada por fazer parte desta historia.

Fragmentos

Fragmentos

Recomeço

Recomeço