domingo, 24 de outubro de 2010

ALMA DE POETA

(Tela Renoir)
A alma do poeta
É feita de chão de terra
De luz e sedução
Nada é em vão.

Fuga muda
Sutileza enovelada
Esculpe detalhes e entalhes
Abstratas ancoragens.

Impermeável,
Mas insaciável
Recolhe da natureza
Memoráveis belezas.

Puro horizonte
Vestida de lua
Verte memórias
Em tantas histórias.

Segreda queixumes
Tece lembranças
Alimenta esperanças
E todas as ânsias.

Obstinada e sofisticada
Aura etérea
De graça guarnecida
Realça a vida vivida.

Carregada de sentimentos
Transparente
Atreve-se
Se entrega

E
Amorosamente partilha. ( ELoah W.N.)

2 comentários:

  1. Sensível e bonita.Parabéns..bjs

    ResponderExcluir
  2. Poesia brota do nada e traz tudo
    Não se constrói, nem se arquitecta.
    É do sentir de cada um, não se projecta.

    É como semente que se torna raiz.
    Tronco ou folhagem
    E o fruto é cada verso, com ou sem rima.
    É o sentir que a palavra tem e o que nos diz.
    É a teia que o poeta tece e que assina

    É belo o seu poema, tem a "marca" da sua identidade.

    BEM HAJA

    Um braço amigo pleno de ternura.

    ARFER

    ResponderExcluir

De fragmento em fragmento vou compondo a minha história.Obrigada por fazer parte desta historia.

Fragmentos

Fragmentos

Recomeço

Recomeço