sábado, 27 de outubro de 2012

Tempo


 Moroso como o vento, 
o tempo choca-se com os sentimentos e  lânguido  banha-se em tépido agasalho.
No luar que dorme
 arqueia-se imenso e se enrola na calma pacífica, capturando a beleza
 que emana da vida.
Cria anteparos sóbrio e metódico,
 como faz a eternidade.
Em seu trono majestoso errático,  paciente como um sonhador ,
 longe muito longe, toca-nos de leve e  nos deixa  rastros de sonhos desfolhados.
Criador fecundo pelo mundo
 dá vida à natureza, afaga , distribui esperanças e generoso lavra as palavras como ternas carícias.
Se  veste de silêncio, conta as saudades  e recolhe todas as dores e ilusões 
que atrás de si deixou.
Senhor do destino, entrecruzando laços carrega consigo  palavras que vicejam das batidas que brotam do coração.
E eu, 
diante do sagrado e poderoso catalizador continuo a travessia reverenciando a vida  e acompanhando a cadência das horas que irresistivelmente, em giro eterno,
 me arrasta.

26 comentários:

  1. Olá Eloah.
    Palavras fortes e intensas nesta composição poética. Muito lindo! Um big abraço
    Gracita

    ResponderExcluir
  2. Ah, o tempo, este companheiro que nos acompanha sempre na nossa travessia terrena.
    Merecedor de tão suaves palavras, reverenciadas com profundo sentimento de amor à vida.
    Um beijo, com carinho.
    Lúcia.

    P.S. Deixei um cometário, em sua postagem anterior, doce amiga...

    ResponderExcluir
  3. .



    Ah, o tempo, senhor de todos
    os desejos. Rei de castelo sem
    rainha, príncipe e princesa.
    Tempo quente, de roupa curta e
    caminhos longos, de vida breve
    e morte eterna. Tempo de amar,
    de querer mesmo sem poder. De
    ser sincero e sofrer com a
    verdade, mas se eu mentisse...
    Ah, quanto tempo me resta, a-
    gora? Quanto tempo eu teria
    para sonhar com um tempo que
    não passasse? Para pensar que
    verdade faz mal e que a hipó-
    crita mentira não é acreditar
    nas fadas, nos príncipes en-
    cantados, na branca de neve e
    na felicidade, mas acreditar
    na eternidade. Eternidade de
    todos os sentidos, de todos
    os amores e de todos os risos.

    silvioafonso




    .

    ResponderExcluir
  4. Ah, o tempo, este Senhor do Universo, que nos conduz e nos contém, nos torna felizes ou nos mergulha na mais profunda tristeza...menino brincalhão, velho decrépito, ele se alterna e nos transporta aos nossos mais sonhados anseios.

    Bjssss, amiga Eloah,
    Leninha

    ResponderExcluir
  5. Não há como brigar com ele, trazê-lo ou afastá-lo. Vamos seguindo, juntos, mas só nós o analisamos, através do que nos deixou. Lindo, querida! Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Eloah,

    Ha quanto tempo... estive ausente por um tempo, mas voltei... Que gostoso chegar e ler tão belo poema.. traz de volta a vontade de considerar as emoções...

    bjsMeus
    CAtita

    ResponderExcluir
  7. Olá, amiga. Que maravilha poder sentir a docilidade e beleza dos seus versos.Profunda emoção! Obrigada querida por estar ai partilhando conosco. Não há como parar ou mudar o tempo, apenas aliar a ele e viver cada momento. Uma feliz semana com muito carinho e paz! Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Oi,amiga.
    Cada pedaço de tempo é único e deve ser valorizado.
    Beijos,
    Analine

    ResponderExcluir
  9. Muitas vezes tirano, esse sr. Tempo!! Ainda por cima rouba-nos a beleza e acentua fragilidades! Por outro lado força-nos a repensar valores e tomar juízo. Eloah, pede para ele parar? :) Adorei essa prosa poética!! Boa semana!! Beijus,

    ResponderExcluir
  10. Quem caminha sozinho pode ate chegar mais rápido,
    mas aquele que vai acompanhado de amigos,
    com certeza chegara mais longe.
    Eu tenho certeza a amizade é tudo em nossas vidas
    mesmo na falta de tempo não posso ,
    não quero ficar sem deixar pelo menos um carinho a você.
    Linda semana paz e luz.
    Deus abençoe você hoje e sempre beijos no coração,Evanir.

    ResponderExcluir
  11. Eloah! Parabéns! Teu texto é tão lindo que a gente voa na leitura, por entre as palavras... LIndo demais!Um abençoado e feliz início de semana!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Os teus ventos são sempre suaves e mornos porque os transformas em brisas
    mesmo que te apareçam como vendavais!
    Uma poesia terna e doce como tu minha querida amiga.

    Obrigada pelo teu carinho deixado no meu aniv. e as palavras que tanto me tocaram!
    Terno abraço querida

    ResponderExcluir
  13. "O tempo é o Senhor do Destino, mesmo . Já me roubou coisas "gente que nunca vou poder resgatar "não está em mim esse poder ...
    E eu...
    diante "Dele, vou seguindo; espero ainda a minha hora (?) Nada é eterno!
    Não liga não eu sou assim mesmo; o tempo vai me destruir ou não** mas é mais certo que vá ...
    Quem sabe? Só Deus* e entrego meu futuro nas mãos Dele*...
    beijinho amiga,
    e que tenhas uma boa tarde . Muita Paz!

    ResponderExcluir
  14. Esse danadinho do tempo...Lindo te ler ,como sempre,Eloah! beijos,chica

    ResponderExcluir
  15. Amiga, grata pelo lindo carinho em minhas páginas. Quanto ao tempo, bem ele é por deveras mágico ou feiticeiro, tem sempre o poder de nos dominar...
    Sempre sigo a morosidade do TEMPO...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  16. Somos arrastados,
    compensados ou descompensados
    Futuro, presente ou passado
    o tempo investe em nós
    ou investimos no tempo
    viajamos num simples pensamento
    Somos ou não seres alados?

    Doce o seu poema Eloah.
    Amei.

    ResponderExcluir
  17. Você nos deixa lindas palavras aqui e também nos cantinhos por onde passa. Obrigada! Tenha um lindo fim de semana. Bjs.

    ResponderExcluir
  18. Olá Eloah, e que tudo esteja bem contigo!

    Belíssimo escrito, sobre o condutor de nosso seguir, o tempo!
    Parabéns pelo sentir expresso nas belas palavras tão bem elaboradas, mas, por cá neste teu tão agradável espaço tem sido tudo sempre tão bem elaborado, tudo sempre tão deveras agradável!
    E eu grato por tua amizade e visitas sempre tão gentis, desejo que tenha em teu viver sempre esta felicidade intensa, grande abraço e, até mais!

    ResponderExcluir
  19. São mudas as neblinas nesta ilha
    É de pobreza o pão que alimenta o meu sentir
    Oiço o mar com os meus próprios dedos
    Parti do desencontro dos meus derradeiros medos

    Parti e deixei no cais mil dúvidas
    Lembrei tempos que corri feliz pelas amoras
    Nesses dias bebi sofregamente a vida
    Nesses dias a minha alegria era incontida

    Um radioso fim de semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  20. Querida Poetisa!
    O tempo segue rápido e arteiro,
    parecendo querer brincar com a gente.
    Um mundo misterioso desperta
    a solidão e o silencio,nos fazendo acreditar
    que o melhor esta por vir.

    Um beijo carinhoso.
    vera portella

    ResponderExcluir
  21. O tempo é implacável em nossos dias,,,ele nos faz perder caminhos,,,,beijos amiga e um belo final de semana pra ti.

    ResponderExcluir
  22. Estou de volta....e apreciei tão belo poema...
    Bom fim de semana
    Bejo

    ResponderExcluir
  23. Tempo, tempo, senhor do destino, que nos mostre um bom caminho.

    Eloah, muitas vezes fico só a absorver tuas palavras, poesia que me leva a refletir.

    Linda!

    Beijos com carinho.

    ResponderExcluir
  24. O tempo submete-se ao sagrado por estar inserido como atemporal. Gostei de te ler. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  25. Que jeito bonito de falar do vento!
    É a magia da poesia, eu sei.
    Mas é tão bom ir constatando isso
    sempre de novo assim, visitando o teu cantinho.
    abraço

    ResponderExcluir
  26. Ah! Esse vento,ao som dessa música,até sabe bem.Que facilidade na escrita! Que poetisa nata!Sentimo-nos transportados para outros lugares do nosso hemisfério(aqui é Portugal).Eu era capaz de aler e reler e reler, sem nunca me cansar.Continue assim e parabéns.

    ResponderExcluir

De fragmento em fragmento vou compondo a minha história.Obrigada por fazer parte desta historia.

Fragmentos

Fragmentos

Recomeço

Recomeço