terça-feira, 25 de junho de 2013

Paradoxo



Razão inexplicável ou controverso sentimento.
Um dia sabemos quem somos, no outro nem tanto.
Somos ambíguos - caminhamos entre certezas e a cômoda ausência de memória.
Somos começo, recomeço e fim.
Neste caminhar, ora na luz, ora nas sombras movemo-nos oscilantes sob a solidão de nós mesmos.
Cada detalhe nos intriga e transfigura-se para buscar no tempo o que em vão procuramos.
Somos encurralados, empurrados, puxados, separados, fragmentados e isolados.
Nesta dança feroz, imersos no mundo existem os que caminham,
 os que seguem e os que se desviam da rota e se perdem.

O que fizemos, ou o que deixamos 
de fazer juntam-se nas camadas dos mistérios que nos envolvem
 e independente do que foi seguimos em frente à procura 
da nossa almejada e desejada chave da felicidade.




quarta-feira, 5 de junho de 2013

Procuro


Procuro o sol, a brisa fresca e  sombras de vez enquanto, para dar alívio a inquietude que passa breve, deixa marcas e fere fundo.

Procuro a passagem do tempo e nas páginas avulsas da alma os retratos desbotados e as saudades arquivadas que a espera, permanecem.

Procuro na solidão que carrego no olhar uma avalanche de cores, de flores e o doce gosto de sereno para que foragida das tristezas, tocada de beleza veja a vida num sorriso.

Procuro folhas viajantes , rosas em brotos e  borrões silhuetados  a brincar nas vidraças das varandas arejadas,  para que possa aflorar o mel e o céu dentro dos sonhos resgatados.

Procuro o futuro róseo, os rituais, a trilha sonora e o sopro do vento esperançoso mudando o curso dos rios e os bons presságios para  reunir  e atar   fios soltos , tecer e ousar  incursões novas , dar passagem e tempero a vida.

De tudo que procuro, o que mais quero é este intocado sentimento, atrevido forasteiro, aventureiro, eternamente apaixonado, sopro e  fonte de inspiração que faz crer que a magia do amor e os meus versos estrelados possam ser a realidade que tanto almejo.