sábado, 21 de maio de 2011

DEFESA


Tela Pino Daeni
Na alma a dor se retrai,
Não ouve sequer a razão
Porque o que se quer se esvai,
Infinitamente - bem mais que o coração.

Sem sentido, sem coragem, se abate
Defesa amarga, pranto vencido,
Do combate o sofrido embate
Da lembrança o gosto amargo, a perdida imagem.

Quem sabe ao dormir deságüe o pranto
E nos sonhos a surgir te veja agora,
Não sombra augusta, mas luz divina,
Reflexo, espaço, e eternidade,
Num longo abraço e inquieto beijo.

Ante o impossível perfeito e exato
Tu és a mágoa, o consolo, o anseio e a vida,
A campa idealizada, a pura terra,
Cativa força – sábia mais incompleta obra.

quarta-feira, 11 de maio de 2011





Tela de Pino Daeni
   

domingo, 8 de maio de 2011

NADA É TÃO SIMPLES


Tela de Pino Daeni
Nada é tão simples. Certezas? Não são muitas.

Sonhos estes sim são infindáveis. Afinal a vida é construída pelo sol das manhãs e pelas noites que iluminam e abrigam os sonhos.
O cotidiano na sua complexidade, em algum momento se fecha para o mundo e nos carrega para uma orgia de decepções e inquietações empurrando-nos para lugares frios e desconhecidos.
Vulnerabilidade é o nosso ponto mais fraco. Em cada esquina nos deparamos com verdades cujos sentidos, por mais incoerentes, nos carregam num processo misterioso de vibração interior que vai-nos fortalecendo e modulando a alma.
São momentos de preces solitárias que nos permitem aplainar, a colorir, a acariciar, vasculhar e apalpar todos os mais íntimos e ínfimos detalhes, até que esgotados os pensamentos - exauridos, machucados muitas vezes,vamos a procura do nosso equilíbrio.
Neste processo, obstinados,caminhamos em busca de um lugar ao sol e, jogando com o tempo, contra a dureza da existência, cautelosamente, em sobreaviso, delineamos nossas fronteiras.
Nada é tão simples. Mas é na complexidade que reside à fluidez da percepção e o encanto do aprendizado da vida.